Exploração Sustentada de Recursos Geológicos

A evolução tecnológica e social humana resultou, em grande parte, da progressiva capacidade de utilização da exploração de recursos naturais, as chamadas matérias-primas. Por recurso geológico entende-se todo o tipo de materiais, ou formas de energia associadas, que integram a geosfera, de natureza gasosa (ex.: gás natural), líquida (ex.: petróleo) ou sólida (ex.: carvão), com importância para a actividade humana.

Todos os recursos com localização bem definida, passíveis de exploração numa perspectiva economicamente rentável e em relação aos quais estão estimados valores de abundância relativa, designam-se por reservas. A dimensão das reservas em determinados locais nem sempre justi­fica a sua exploração, pelo que se devem considerar as reservas como recursos potencialmente utilizáveis se as circunstâncias de mercado o justificarem.

A exploração crescente dos recursos geológicos, resultante do crescimento demográfico e da industrialização, bem como de técnicas de exploração cada vez mais eficientes, poderá conduzir a um rápido esgotamento das reservas disponíveis de muitos recursos geológicos. Tal como qual­quer recurso natural, os recursos geológicos consideram-se recursos não renováveis (ex.: carvão e petróleo), se a sua exploração for feita a um ritmo superior ao da capacidade de regeneração da Terra. Por outro lado, consideram-se recursos renováveis aqueles que podem ser gerados a um ritmo semelhante ou até superior ao do seu consumo (ex.: energia eólica, geotérmica e solar).

Exploração de recursos naturais como a madeira por exemplo.

Tipos de recursos

O desenvolvimento tecnológico verificado nos últimos dois séculos levou a uma procura intensiva de combustíveis fósseis — o carvão (produção de energia eléctrica em centrais termo­eléctricas, indústria do aço), o petróleo (transportes, produção de energia eléctrica) e o gás natural (transportes, produção de energia eléctrica). Atendendo ao carácter não renovável des­tes recursos energéticos, produzidos por acção biológica há milhões de anos, o seu consumo continuado, em larga escala, limita cada vez mais o seu horizonte de utilização. As perspectivas de esgotamento, associadas ao aumento do preço destes combustíveis, têm levado à exploração de outras formas de energia.

No domínio dos, recursos geológicos, a energia nuclear e a energia geotérmica são as grandes alternativas energéticas que se colocam relativamente aos combustíveis fósseis. A energia nuclear resulta na produção de enormes quantidades de calor a partir do uso controlado da radioactivi­dade do urânio em centrais nucleares. A energia geotérmica consiste na utilização do calor da Terra, sobretudo em locais onde o fluxo térmico ou o gradiente geotérmico apresenta valores ele­vados. Tanto num caso como noutro, o calor é utilizado para o aquecimento de água que, após vaporização, movimenta turbinas, onde se produz energia eléctrica.

Riscos associados ao uso de recursos energéticos

Os combustíveis fósseis, graças às grandes quantidades de CO2 libertado no seu processo de combustão, contribuem para o aumento do efeito de estufa e, consequentemente, para o aquecimento global da atmosfera. Este fenómeno poderá ter consequências gravíssimas para a biosfera, como: o aumento do nível da água do mar e consequente inundação das zonas litorais ou altera­ções das grandes zonas climáticas com problemas ao nível da produção agrícola e disseminação de doenças. Para além disso, assume certa gravidade o problema das chuvas ácidas, resultantes da reacção dos óxidos de enxofre libertados na queima do carvão mineral com a água da atmosfera. Sendo mais localizado que o anterior, este fenómeno causa a acidificação de lagos e solos a destruição das árvores, bem como a corrosão de edifícios e outros equipamentos.

Relativamente à energia nuclear, os problemas são de outra ordem e prendem-se, sobretudo com a natureza radioactiva do combustível nuclear usado nas centrais. Essa radioactividade e potencialmente perigosa para todos os seres vivos, pelo que os eventuais acidentes que aí pos­sam ocorrer, bem como os resíduos produzidos por aquelas unidades, representam riscos ambientais consideráveis.

De entre as formas de energia apresentadas, a energia geotérmica é a que acarreta menores ris­cos ambientais. No entanto, está também associada a alguns problemas, como a libertação de gases sulfurosos para a atmosfera, a contaminação da água nas proximidades das unidades de exploração, devido à natureza mineralizada dos fluidos geotérmicos residuais que são libertados, ou a ocorrência de aluimentos resultantes da utilização de grandes quantidades de fluidos.